Promoção!

Estrangeiros a nós-mesmos

19.90 17.91

REF: 9789898557858 Categoria: Etiqueta:

Descrição

Julia Kristeva convida a pensar o nosso próprio modo de viver como estrangeiro ou com estrangeiros, restituindo o destino dos estrangeiros à civilização europeia: os Gregos com os seus “Metecos” e os seus “Bárbaros”; os Judeus inscrevendo Rute, a Moabita, na origem e fundamento da realeza de David; são Paulo que escolhe pregar dirigindo-se aos trabalhadores imigrados para fazer deles os primeiros cristãos, sem esquecer Rabelais, Montaigne, Erasmo, Montesquieu, Diderot, Kant, Herder, e até Camus e Nabokov que meditaram, cada um, antes de nós, sobre as maravilhas e os desconfortos da vida estrangeira. No âmago deste futuro cosmopolita: os Direitos do Homem sob a Revolução francesa, que começa por honrar os estrangeiros, antes de fazer cair o Terror sobre as suas cabeças. Em contraponto: o nacionalismo romântico e, por fim, totalitário. A “inquietante estranheza” de Freud conclui este percurso sugerindo uma nova ética: não “integrar” o estrangeiro, antes respeitar o seu desejo de viver diferente, que vem entrosar- se no nosso direito à singularidade, última consequência dos direitos e dos deveres humanos.
AUTORA
Julia Kristeva

Ler Excerto do Livro
  • Indíce

TOCATA E FUGA PARA O ESTRANGEIRO

Felicidade queimada

A perda e o desafio

Sofrimento, exaltação e máscara

Afastamento

Segurança

Fragmentação

Uma melancolia

Ironistas e crentes

Encontrar

Liberdade única

Um ódio

O silêncio dos poliglotas

“… os antigos desacertos com o corpo”

Imigrados e, por isso mesmo, trabalhadores

Escravos e senhores

Palavra nula ou barroca

Órfãos

Tendes amigos?

O “caso Meursault” ou “Todos nós somos Meursault”

Origens sombrias

Explosão: sexo ou doença?

Uma errância irónica

Ou a memória polimorfa de Sébastien Knight

Porquê a França?

OS GREGOS ENTRE BÁRBAROS, SUPLICANTES E METECOS

Como se pode ser estrangeiro?

Os primeiros estrangeiros: estrangeiras (de Io às Danaides)

Suplicantes e próxenos O estatuto dos estrangeiros na época arcaica

Os Bárbaros e os Metecos na Época Clássica

O cosmopolitismo helenístico

A conciliação estoica: universalismo

… e perversão

O POVO ELEITO E A ELEIÇÃO DO ESTRANGEIRO

Estrangeiro ou prosélito Rute, a Moabita

SÃO PAULO E SANTO AGOSTINHO: TERAPIA DE EXÍLIO E PEREGRINAÇÃO

Paulo cosmopolita

A nova Aliança

Civitas peregrina

Caritas

Hospitalidade peregrina

O Baixo-Império: uma integração dos peregrinos

O estrangeiro fluido na Idade Média: que fortuna?

ESTRANGEIRO? MAS COM QUE DIREITO?

Jus solis, jus sanguinis

Homem ou cidadão

Sem direitos políticos

Um direito com cedências

Pensar o trivial

ESTA RENASCENÇA, “DE UMA TEXTURA TÃO INFORME E DIVERSA”

Dante o exilado: do “sabor a sal” ao “espelho dourado”

O Estado maquiavélico

Do maravilhoso de Rabelais às maravilhas do mundo, passando por Erasmo

Thomas More: uma curiosa Utopia

O eu universal de Michel de Montaigne

“Um gozo permanente”

Acerca dos canibais e dos coches

Viagens, cosmografias, missões

Um Gaulês cosmopolita

DE LUZES E DE ESTRANGEIROS

Montesquieu: o inteiramente-político e o privado

O estrangeiro: alter-ego do filósofo

O homem estranho, o cínico e o cosmopolita

1 – O Sobrinho de Rameau, entre mim e Diógenes

2 – Fougeret de Monbron, um cosmopolita «de coração peludo»

3 – O Sobrinho em Hegel: a cultura como estranheza

Seria francesa, a cultura?

Direitos do homem e do cidadão

Os estrangeiros durante a revolução

1 – Fraternidade universal e nascimento do nacionalismo

2 – Anacharsis Cloots: o «Orador do género humano» contra a palavra «estrangeiro»

3 – Thomas Paine: o «cidadão do mundo» quer salvar o rei

NÃO SERÁ A UNIVERSALIDADE… O NOSSO PRÓPRIO ESTRANHAMENTO?

Kant pacifista universalista

A nação patriota entre o «senso comum» e o «Volksgeist»

O nacionalismo como intimidade: de Herder aos românticos

Freud: «heimlich/unheimlich» — a inquietante estranheza

O outro é o meu (próprio) inconsciente

Uma semiologia da inquietante estranheza

Súbditos, artistas e… um rei

O estranho dentro de nós

PRATICAMENTE…

ISBN: 9789898557858 | Novembro 2017 | Nº de páginas: 246 pp | PVP 19,90€

AUTORA
Julia Kristeva

TRADUÇÃO
MARIA DE JESUS CABRAL
JOÃO DOMINGUES

Informação adicional

Peso 385 g
Dimensões (C x L x A) 230 × 165 × 10 mm

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Estrangeiros a nós-mesmos”

Também pode gostar…